ORIENTAÇÕES PARA PREGADORES

COMPARTILHE esta Pregação:

    Sem comentários

O objetivo aqui é abordar aspectos também importantes para a pregação, mas que talvez não se encaixem em nenhum dos tópicos anteriormente apresentados.
Algumas orientações práticas para uma boa pregação:
1- Métodos de entrega da mensagem
O método da entrega das mensagens vai depender da personalidade, da habilidade e da pratica de cada pregador. Ele pode pregar de pelo menos 4 formas:
a) Pregar sem notas
Não e tão fácil. Exige habilidade e coragem, mas proporciona grande liberdade ao pregador, embora não seja aconselhável, porque pode se perder durante a explanação.
b) Falar de memória
Quem tem uma mente mais privilegiada, e tem facilidade de memorização, pode usá-la na pregação. O perigo aqui e ser extremamente mecânico e sem vida.
c) Ler um manuscrito
Funcionou no caso de alguns pregadores da história, mas eram homens que tinham grande habilidade oratória. Para o pregador comum pode ser muito desvantajoso a leitura do sermão, podendo se perder no manuscrito, esquecendo-se do ouvinte e tornando-se tremendamente frio ou formal.
d) Usando notas
Parece-nos ser o método ideal, mais fácil para o pregador e melhor para os ouvintes. Notas bem elaboradas para o púlpito dão de relance a visão do manuscrito que ficou em cima da mesa de estudo. Fortalece a segurança do pregador, sem, no entanto, amarrá-lo e lhe dá a liberdade de uma comunicação direta aos seus ouvintes.
2 - Tipos de mensagens quanto ao conteúdo
Já aprendemos sobre TIPOS DE SERMÃO, quanto ao “formato” (expositivo, textual ou tópico). Aqui, a análise será quanto ao conteúdo ou a matéria da salvação (kerigma) que é o que caracteriza a pregação evangelística, e no aspecto didático (didache) aquela que edifica os que já creram, ensinando aos santos.
Então, quanto ao conteúdo, a pregação pode ser:
a) Mensagem Evangelística:
Esta é a pregação que visa à conversão, a salvação dos que ainda não creram em Jesus e não o confessaram como Senhor e Salvador. É aquela que visa, nas palavras de Paulo: “o arrependimento para com Deus e a fé em nosso Senhor Jesus” (Atos 20.17-21). Paulo apresenta um perfeito resumo do que vem a ser o teor dessa mensagem evangelística em 1 Tessalonicenses 1.9-10.
b) Mensagem de edificação:
Trata-se de todos os sermões que não sejam evangelísticos, pregados exclusivamente aos crentes. Embora, eventualmente um não salvo possa conhecer a Cristo impelido diretamente por esse, mensagem.
Dentre os tipos de sermão de edificação, encontram-se:
* sermões de ensino e instrução
* sermões doutrinários
* sermões de exortação, consolação e outros (dependendo do tema).
3- A duração da mensagem
Não há regras fixas quanto a esse assunto, mas o discernimento e o bom senso do pregador devem ser aplicados. Não há uniformidade quanto à duração na história da pregação. Sempre houve pregadores que ‘falavam muito’ e outros que ‘falavam pouco’. Parece-nos que o assunto era considerado do ponto de vista da eficácia. Não importa o tempo que o pregador usará, se ele consegue manter a atenção dos ouvintes e ser eficaz na transmissão da mensagem.
O comprimento do sermão deve variar de acordo com o caráter do culto, a personalidade e eficácia do pregador e a disposição e concentração dos ouvintes. Como e difícil equacionar todos esses dados, aconselha-se a ter como limite
máximo 25 ou 30 minutos.
4- O uso de ilustrações
Quais os motivos para se usar ilustrações? Primeiro por causa do interesse humano. Ela tem o poder de prender os ouvintes. Ela esclarece e exemplifica a verdade. O próprio Jesus falava por parábolas e usava fatos para lançar luz sobre uma verdade e para tornar atraentes as coisas do céu para as pessoas da terra. Por exemplo, para falar acerca da providência Divina, usa a imagem de aves, lírios, coisas para comer, coisas para vestir (Mateus 6.25-34).
As ilustrações devem ser claras e tratadas com beleza e elegância, para não incorrerem no risco de serem fúteis e grosseiras.
As fontes de ilustrações são diversas: a própria Bíblia, a historia, a vida, o dia-a-dia. Quando um principiante pergunta: “onde posso encontrar ilustrações?”, muitos pregadores experimentados responderão: “em toda a parte! Use seus olhos”.
Algumas dicas importantes: limite o número de ilustrações (tudo demais não é bom), procure ser variado, evite “alimentos enlatados” (do tipo extraído de livros de ilustrações). Muito cuidado com alusões pessoais, nunca fazer insinuações nem usar pessoas do auditório como exemplo para não correr risco de ser mal interpretado.
5- O perigo do plágio
Plágio é o uso impróprio de material de outro. A palavra plágio, informa Blacwood, “vem literalmente de uma palavra latina relacionada com rapto e o latim vem da raiz grega que significa ‘oblíquo, curvo, tortuoso, traiçoeiro’. Essas coisas não combinam com o devido caráter do pregador”.
Ser plagiário é perigoso. John R.W. Stott disse, porém, uma coisa interessante: “copiar de um é plagio, copiar de mil é pesquisa”, ou seja, se você pesquisa, se lê, provavelmente não e fará uma “cópia” do que outros disseram ou escreveram.
Quando vai se usar algo de outra pessoa, é uma exigência ética, que se cite “a fonte”, mas procure sempre ser original. Como dizia Goethe: “a originalidade no consiste em dizer algo novo, mas em dizer algo antigo de forma nova”.
6- Autenticidade e estilo
É comum e normal, no início da vida de pregação, que o pregador se “inspire” ou se “assemelhe” em outra pessoa, em alguém admirado. No entanto, com o passar do tempo, ele deverá desenvolver seu próprio estilo. É um fracasso quando tentamos copiar modelos, porque somos todos diferentes. Cada pessoa é uma pessoa única, incomparável; cada um tem temperamento, personalidade e se sairá melhor desenvolvendo um estilo próprio.
7- Organização e Método
Duas boas dicas, uma para facilitar a preparação de mensagens e outra para evitar que se repita uma mensagem no mesmo lugar é “escrever” sua história como pregador.
Primeiro, o pregador deve ter uma “estufa” de sermões. Deve formar o hábito de anotar mensagens, fazer observações bíblicas, anotar pensamentos em agendas, usar rascunhos, etc., ou seja, tudo o que seja uma possível semente para um futuro sermão deve ser guardado nessa estufa.

Segundo, no próprio sermão ou em outro lugar, o pregador deve anotar a data e o local onde pregou aquela mensagem. Este é também um excelente hábito.

Continue no:
x

Livro: HOMILÉTICA: Como pregar?
A primeira parte do ide ordenado por Jesus é pregar o evangelho (Mateus 28.20). Mas então surge a pergunta: “como pregarão se não forem enviados?” (Romanos 10.15). A capacitação de pregadores é urgente para a grande demanda de pessoas carentes de ouvir o evangelho. Jesus mesmo disse que não faltam almas e sim pregadores, por isso precisamos de mais trabalhadores para a seara que é grande (Mateus 9.38).
70 páginas. Formato A5 148x210
Adquira impresso ou eBook: Compre aqui o livro 'Interpretação Bíblica'

Nenhum comentário:
Escreva Comente!

IDENTIFIQUE-SE para que seu comentário seja aceito.

Quem sou eu

Minha foto

Tenho prazer em meditar na Palavra de Deus.
Escrevo textos e reflexões sobre as Escrituras.

Siga-nos

Pregações por email

© 2016 Espaço do Pregador. Designed by Bloggertheme9
Powered by Blogger.